Quarta, 24 de Julho de 2024
Tecnologia Infância digital

Infância livre de telas: um novo desafio para pais sobre o uso excessivo da tecnologia na primeira infância

Discussão sobre a infância livre de telas vem ganhando força e preocupação com o impacto do uso excessivo de dispositivos eletrônicos no desenvolvimento infantil

01/05/2024 às 08h00 Atualizada em 06/05/2024 às 18h03
Por: Emanuelly Nogueira
Compartilhe:
Imagem: Criança brincando com celular/ FreePik
Imagem: Criança brincando com celular/ FreePik

 

Continua após a publicidade

Os avanços tecnológicos, nos trouxeram inúmeros benefícios e comodidades, o mundo não temas mais alguns dificuldades como tínhamos até algum tempo, como o fim da demora para checar algumas informações, ter facilidade para falar com pessoas que estão a quilômetros de distância, carros por aplicativo, serviços de alimentação, avanços industriais e tantas outras.

Da tecnologia, começamos a ter o uso constante das telas em nossas vidas, alguns dispositivos como smartphones, tablets, computadores, televisores e agora até óculos especiais se tornaram nossos companheiros inseparáveis, oferecendo os benefícios já citados e também entretenimento.

Continua após a publicidade

Esses são os “prós”, mas realmente já paramos para pensar sobre os “contras”?

Essa relação com as telas também apresenta desafios, essa constante estimulação e a infinidade de conteúdos disponíveis podem facilmente nos levar à distração, prejudicando muitas vezes nossa produtividade, o bem-estar e a saúde mental. E o uso de telas não está restrito apenas aos adultos, as crianças também estão expostas às telas e bastante.

Continua após a publicidade

Segundo dados do TIC Kids Online Brasil, estima-se que pelo menos 25 milhões de crianças e adolescentes, entre 9 e 17 anos, nas cinco regiões do Brasil tiveram acesso à internet nos últimos três meses de 2023, e as plataformas mais utilizadas foram redes sociais como TikTok, Instagram e Youtube.

Imagem: Dados da pesquisa Tic Kids Online Brasil 2023

Durante a pesquisa, a organização identificou que há as oportunidades para esse uso da internet, como fins educacionais e de entretenimento, porém também identificaram riscos decorrentes desse uso: acesso a conteúdos ofensivos, alta exposição, e questões de saúde, como aprender maneiras de se auto machucar, dependência tecnológica, obesidade e até questões que envolvem a saúde mental.

Infância Livre de Telas

Com o aumento alarmante do uso de dispositivos eletrônicos, a Editora Timo criou a  “Infância Livre de Telas”, com apoio da Associação Brasileira do Livre Brincar (IPA) e da plataforma de conteúdo digital Catraca Livre, para fazer um apelo para evitar o uso excessivo de smartphones e outros gadgets e a dependência tecnológica das crianças.

Precisamos olhar com urgência para a forma como estamos deixando nossas crianças submissas às telas e a conteúdos inapropriados”, alerta Ana Basaglia, fundadora e publisher da TIMO e uma ativista pelo aleitamento materno.

Para ela, levar essa mensagem para as ruas é uma forma de envolver, de fato, a sociedade para uma discussão mais profunda sobre a relação das crianças com essas tecnologias.

Imagem: Divulgação/ Editora Timo

Pais relatam como é a relação com as telas dentro de casa

Os papais de primeira viagem, Diego Rodrigo e Yura Rique, limitam o contato com as telas do pequeno Daniel, de 1 ano, a 15 minutos e apenas para assistir desenhos antes de adormecer.

Ele se deita na cama comigo e assistimos desenhos de baixo estímulo, geralmente desenhos antigos como Patolino, Looney Tunes, que pela própria tecnologia da época em que foram produzidos não tem tanto movimento ou cores vibrantes - eu também gosto de assistir pois foram os da minha infância”, contou Diego ao Primeira Educação.

Diego explicou também que ele não demonstra interesse em smartphones:

Quando vê os nossos em algum lugar, o impulso dele é pegar e trazer pra nos entregar.”

O pequeno tem mais interesse em brincar, já que está em fase de desenvolvimento. Então, junto com a mamãe Yura, Daniel gosta de brincar no chão, com blocos de montar, pintura, carrinhos, velocípede, percussão de brinquedo, piscina de bolinhas.

Imagem: Daniel Rodrigo brincando. Imagem: Arquivo Pessoal/ Yura Rique

A psicóloga Karina Xavier Barosi também tem um bebê, o Gianluca, de 1 ano e 11 meses, e há pouco tempo permitiu o acesso a vídeos educativos próprios para a idade dele. Contudo, com limitações.

Nós limitamos o acesso às telas, esta decisão é crucial por várias razões. Isso ajuda a promover um estilo de vida saudável, limitando o tempo sedentário dele e incentivando-o a atividades físicas e sociais. Além disso, é importante reduzir o tempo de tela, para não atrapalhar o sono, o desenvolvimento cognitivo e a saúde mental.” contou Karina ao portal.

Ela defende que o mundo fora das telas é muito importante para que a criança desenvolva, por exemplo, a interação com outras pessoas.

A interação física com o ambiente e com outras pessoas é essencial para o desenvolvimento social, emocional e cognitivo. Além disso, o aprendizado sem o uso de telas ajuda as crianças a desenvolverem uma relação saudável com a tecnologia, aprendendo a equilibrar seu uso com outras atividades importantes”.

LEIA TAMBÉM:

Dicas para os pais para uma infância com menos telas:

  • Tudo começa pelo diálogo: Explicar da melhor maneira para as crianças os motivos da importância de limitar o tempo de tela e também os riscos do uso excessivo, propondo alternativas “à moda antiga", como brincadeiras ao ar livre, praticar esportes, entre outras coisas;
  • Estabelecer limites: Definir horários específicos e lugares adequados para o uso de telas e, por exemplo, “proibir” o uso de dispositivos na mesa de jantar e em momentos em família;
  • Encontrar alternativas: Ao invés de proibir completamente, incentive atividades como leitura e uso de aplicativos educativos;
  • O mais importante, dar o exemplo: Crianças aprendem pelo exemplo. Diminua seu tempo em dispositivos, principalmente na frente dos pequenos, é provável que as crianças façam o mesmo.

É interessante que essa conscientização não fique apenas na campanha “Infância Livre de Telas” e para que toda a sociedade se engaje para evitar o uso excessivo dessa tecnologia por crianças e adolescentes.

Gostou do artigo? Deixe seu comentário e continue navegando pelo portal Primeira Educação para se manter atualizado com as principais informações relacionadas à educação infantil e primeira infância.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias