Quarta, 24 de Julho de 2024
Educação Método de ensino

Sócio-interacionismo: conheça a linha pedagógica que ganha força globalmente

O sócio-interacionismo, baseado nas teorias de Vygotsky, valoriza a interação social no aprendizado e tem se expandido por todo o mundo

25/06/2024 às 11h41 Atualizada em 29/06/2024 às 00h13
Por: Lorena Brum
Compartilhe:
Diretora explica como a interação social impulsiona a aprendizagem dentro e fora da escola. Imagem: Freepik
Diretora explica como a interação social impulsiona a aprendizagem dentro e fora da escola. Imagem: Freepik

 

Continua após a publicidade

Com a evolução dos meios de acesso à informação e os desafios trazidos pelo uso de redes sociais por crianças e adolescentes, escolas do mundo inteiro são desafiadas a implementar linhas pedagógicas que preservem o significado do aprendizado e do desenvolvimento entre as crianças e adolescentes da geração alfa - nascidos após 2010.

O sócio-interacionismo é uma das linhas pedagógicas que mais vem ganhando destaque e se expandindo globalmente. Esse método, fundamentado nas teorias de grandes pensadores como Lev Vygotsky, propõe uma abordagem centrada na interação social como motor do desenvolvimento cognitivo e da aprendizagem.

Continua após a publicidade

Ele parte do princípio de que o conhecimento é construído coletivamente, através da interação entre indivíduos e seus ambientes sociais. Essa perspectiva desafia métodos tradicionais de ensino, que muitas vezes colocam o professor como a única fonte de conhecimento e os alunos como receptores passivos.

Neste modelo, nós, professores e alunos, compartilhamos o protagonismo, colaborando e construindo juntos o processo de aprendizado”, comenta Dayse Campos, diretora da Interpares, escola curitibana que adota essa metodologia de ensino há 26 anos.

Continua após a publicidade

Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP)

Lev Vygotsky, um dos principais teóricos desta abordagem, argumentou que as interações sociais são cruciais para o desenvolvimento cognitivo. Sua teoria enfatiza a zona de desenvolvimento proximal (ZDP), conceito que descreve a distância entre o que uma criança pode fazer sozinha e o que ela pode alcançar com a orientação de um adulto ou de um colega mais experiente.

A diretora explica que a ZDP pode ser dividida em três níveis:

  1. Nível de Desenvolvimento Real (NDR): Representa as habilidades e conhecimentos que a criança já possui e pode usar de forma independente. Esse nível é determinado pelas tarefas que a criança consegue realizar sozinha.
  2. Nível de Desenvolvimento Potencial (NDP): Representa as habilidades e conhecimentos que a criança pode alcançar com a ajuda de um adulto ou de um colega mais capaz. Esse nível é identificado pelas tarefas que a criança pode realizar com assistência.
  3. Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): A ZDP é o espaço entre o NDR e o NDP. É dentro dessa zona que a aprendizagem mais eficaz ocorre, pois é onde a criança é desafiada a desenvolver novas habilidades com o suporte adequado.

Essa teoria destaca a importância do aprendizado colaborativo e do papel mediador do educador, além da necessidade de adaptar o ensino ao nível de desenvolvimento individual de cada criança”, frisa Campos.

Aplicação prática nas salas de aula

Na prática, o sócio-interacionismo se manifesta de diversas formas nas salas de aula. Projetos colaborativos, debates, trabalhos em grupo e atividades de resolução de problemas são alguns dos métodos empregados para estimular a interação e a construção coletiva do conhecimento.

A adoção do sócio-interacionismo tem crescido significativamente em diversas regiões do mundo. Países da América Latina, Europa e Ásia têm implementado essa abordagem em suas políticas educacionais, reconhecendo seus benefícios para o desenvolvimento integral dos estudantes.

No Brasil, por exemplo, o método tem sido integrado em diversos programas educacionais públicos e privados, com resultados promissores em termos de engajamento e desempenho acadêmico. A escola curitibana Interpares é um exemplo disso.

Adotamos o método desde a criação da escola, em 1998, e hoje já são mais de 500 alunos formados pelo sócio-interacionismo”, finaliza a diretora.

Crescimento global do sócio-interacionismo

O crescimento global do sócio-interacionismo é impulsionado pela sua capacidade de adaptar-se às necessidades específicas de diferentes contextos educativos. Em países da América Latina, como Argentina e Chile, o método tem sido integrado a programas de formação docente, promovendo uma abordagem mais dinâmica e participativa em sala de aula.

Na Europa, nações como Finlândia e Alemanha têm explorado o sócio-interacionismo como uma maneira de fortalecer o ensino colaborativo e incentivar o pensamento crítico entre os estudantes. Na Ásia, países como Japão e Coreia do Sul têm implementado práticas sócio-interacionistas para fomentar um ambiente educacional mais inclusivo e adaptável às demandas contemporâneas.

Desafios e perspectivas futuras

Apesar dos avanços, a implementação do sócio-interacionismo enfrenta desafios significativos. Um dos principais obstáculos é a necessidade de formação contínua dos professores para que possam aplicar efetivamente essa abordagem em suas práticas pedagógicas. Além disso, a infraestrutura escolar muitas vezes precisa ser adaptada para facilitar a interação e a colaboração entre os alunos.

Para o futuro, especialistas acreditam que o sócio-interacionismo continuará a ganhar espaço, especialmente à medida que mais pesquisas evidenciam seus benefícios para o desenvolvimento cognitivo e socioemocional dos estudantes. A integração de tecnologias educacionais, como plataformas de aprendizado online e ferramentas de comunicação digital, também poderá potencializar as práticas sócio-interacionistas, oferecendo novas oportunidades de interação e colaboração.

LEIA TAMBÉM:

O sócio-interacionismo representa uma mudança paradigmática na educação, colocando a interação social no centro do processo de aprendizagem. Com suas raízes nas teorias de Vygotsky e sua ênfase na colaboração e no desenvolvimento individual, essa abordagem pedagógica tem demonstrado ser eficaz em diversos contextos ao redor do mundo. À medida que mais escolas e sistemas educacionais adotam essa metodologia, o potencial para uma educação mais inclusiva e significativa se torna cada vez mais evidente.

Gostou do artigo? Seja um apoiador do jornalismo independente.

Deixe seu comentário e continue navegando pelo portal Primeira Educação para se manter atualizado com as principais informações relacionadas à educação infantil e primeira infância.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias