Quarta, 24 de Julho de 2024
Educação Inclusão escolar

Central de Referência em Educação Especial transforma vidas e promove inclusão. Saiba mais

Inaugurada há pouco mais de um mês, a Central de Referência em Educação Especial tem sido um marco no atendimento aos alunos das escolas públicas de Rio Branco, no Acre

26/06/2024 às 15h39 Atualizada em 04/07/2024 às 12h14
Por: Lorena Brum Fonte: Secom Acre
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Acre
Foto: Reprodução/Secom Acre

 

Continua após a publicidade

Com uma abordagem multidisciplinar, a unidade oferece diagnósticos detalhados para estudantes que necessitam de atenção especial, abrangendo uma gama diversificada de condições, como deficiência intelectual, transtorno do espectro autista (TEA), altas habilidades e superdotação, transtornos específicos de aprendizagem, transtornos do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtornos do processamento auditivo central.

Central de Referência em Educação Especial promove educação inclusiva e de qualidade. Foto: José Caminha/Secom
Central de Referência em Educação Especial promove educação inclusiva e de qualidade. Foto: José Caminha/Secom

A equipe multiprofissional do órgão, composta por psicólogos, psicopedagogos, fonoaudiólogos, neuropsicopedagogos e assistentes sociais, atua com o objetivo de fornecer avaliações e encaminhamentos precisos e tem caráter pedagógico e não terapêutico.

Continua após a publicidade

Maria do Socorro de Oliveira, neuropsicopedagoga da instituição, enfatiza a importância de uma análise minuciosa:

Avaliamos as habilidades dos alunos, observamos onde estão as dificuldades e as barreiras à aprendizagem. Com as famílias, investigamos o contexto da criança e orientamos como lidar com as dificuldades apresentadas”.

Continua após a publicidade

Esse trabalho começa na escola, onde professores do Atendimento Educacional Especializado (AEE) fazem uma avaliação inicial, elaboram relatórios e encaminham os casos para a Central, que envia sua equipe à escola para observar os alunos no ambiente de sala de aula, antes de levá-los para uma avaliação mais detalhada.

Com abordagem multidisciplinar, Central oferece diagnósticos detalhados para estudantes que necessitam de atenção especial. Foto: José Caminha/Secom
Com abordagem multidisciplinar, Central oferece diagnósticos detalhados para estudantes que necessitam de atenção especial. Foto: José Caminha/Secom

A instituição emite pareceres pedagógicos que orientam se o aluno necessitará de atendimento por um professor mediador, apoio da sala de recursos ou ambos. A cada seis meses, os alunos são reavaliados para ajustar os encaminhamentos conforme suas necessidades evoluem. Hadhianne de Lima, chefe do Departamento de Educação Especial, destaca que a instituição fortalece o trabalho da Educação Especial, ao integrar diferentes visões profissionais e fornecer apoio às famílias.

Percebemos que a falta de conhecimento e direcionamento para as famílias faz com que tenham uma visão um pouco equivocada do atendimento dentro da escola”, observa.

Enquanto a neuropsicopedagoga avalia a aprendizagem do aluno, a assistente social e a psicóloga recebem, acolhem e orientam a família. Os profissionais apresentam para as famílias um mundo de possibilidades para além do diagnóstico, mostrando que cada criança é única.

Estudante Jackeline Estafane Martins, de 9 anos, passa por avaliação fonoaudióloga. Foto: José Caminha/Secom
Estudante Jackeline Estafane Martins, de 9 anos, passa por avaliação fonoaudióloga. Foto: José Caminha/Secom

Valcilda Martins tem duas filhas em avaliação.

A dificuldade maior das minhas filhas é o desenvolvimento da escrita e, principalmente, a fala. Agora vai ficar mais fácil saber que tratamento dar a elas. Estou muito satisfeita com o atendimento”, afirma.

A Central de Referência em Educação Especial tem se mostrado uma iniciativa vital para garantir uma educação inclusiva e de qualidade, proporcionando apoio integral, tanto para os alunos quanto para suas famílias, promovendo a inclusão social e o respeito às diferenças.

Atendimento coletivo com psicóloga e assistente social na Escola Edmundo Pinto, em Porto Acre, oferece orientação às famílias. Foto: cedida
Atendimento coletivo com psicóloga e assistente social na Escola Edmundo Pinto, em Porto Acre, oferece orientação às famílias. Foto: Cedida pela instituição

Atendimentos

Desde a inauguração, a entidade já realizou, a estudantes e familiares, 46 atendimentos, individuais e coletivos, abrangendo escolas de várias localidades, incluindo a capital Rio Branco, Brasileia, Cruzeiro do Sul e Porto do Acre.

Os atendimentos coletivos são realizados com a psicóloga, a assistente social e os familiares dos estudantes, com a finalidade de ouvi-los e orientá-los. Na terça-feira, 18, a equipe promoveu um deles em Plácido de Castro, nas escolas Jader Saraiva e Edmundo Pinto.

A Escola Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, localizada no bairro Aviário, em Rio Branco, foi uma das instituições beneficiadas, recebendo a visita da equipe para avaliar alunos indicados pelo estabelecimento escolar para investigação mais aprofundada.

Equipe gestora de escola e da Central de Referência se reúnem para avaliar casos de alunos que precisam de investigação mais aprofundada. Foto: Clícia Araújo/SEE
Equipe gestora de escola e da Central de Referência se reúnem para avaliar casos de alunos que precisam de investigação mais aprofundada. Foto: Clícia Araújo/SEE

Temos quatro alunos que precisam ser encaminhados para a Central, para avaliação com a equipe multidisciplinar. São casos em que a escola não está conseguindo dar o suporte necessário para a família. Hoje estamos recebendo a segunda visita da equipe, que veio para somar e nos ajudar”, declara a gestora Ana Cláudia Pessoa.

Saúde na Escola

Além do atendimento especializado, a Central de Referência abriga o Núcleo de Saúde Escolar, que oferece serviços oftalmológicos, odontológicos e consultas com clínicos gerais.

O atendimento odontológico, além de oferecer o tratamento, promove também palestras sobre saúde bucal e entrega de kits de higiene dental, para prevenção da cárie nas crianças. É uma oportunidade para que os pais recebam tratamentos específicos para os filhos, a custo zero. A ortodontia é uma das ações do programa Saúde na Escola.

Aluna da Escola Agnaldo Moreno passa por triagem para consulta oftalmológica. Foto: cedida
Aluna da Escola Agnaldo Moreno passa por triagem para consulta oftalmológica. Foto: cedida

Já o programa Olhar Digital garante consulta oftalmológica gratuita e distribuição de óculos de grau para os alunos da rede estadual de ensino. No último dia 18, uma equipe do programa esteve na Escola Agnaldo Moreno, localizada no km 23 da Estrada do Quixadá, na zona rural de Rio Branco, para realizar triagem oftalmológica dos estudantes e posteriormente, consulta e entrega de óculos.

No atendimento clínico, os médicos prescrevem medicamentos, exames laboratoriais e de imagem, bem como encaminhamentos para especialistas, além das orientações médicas.

Essa ação é muito importante; que aconteça em todas as escolas, porque muitas mães não têm tempo, trabalham o dia inteiro e, com essa oportunidade, é um privilégio que as crianças sejam atendidas na própria escola onde estudam. Muito proveitoso, tanto para os pais quanto para os alunos”, opinou Jardilene de Souza, mãe de uma criança autista.

Médico clínico-geral Roney Firmino realiza consulta a aluno na Escola Natalina Brito. Foto: Mardilson Gomes/SEE
Médico clínico-geral Roney Firmino realiza consulta a aluno na Escola Natalina Brito. Foto: Mardilson Gomes/SEE

A Escola Natalino da Silveira Brito, localizada na Estação Experimental, também em Rio Branco, recebeu a equipe do Núcleo Saúde na Escola, no último dia 19, para um dia de consultas e orientações médicas, atendendo 70 alunos e mais de 20 servidores.

Fizemos primeiramente uma triagem, que resultou na seleção de 70 crianças para atendimento clínico e mais de 20 servidores. A equipe do programa Olhar Digital está agora na zona rural, fazendo triagem dos alunos que precisam de consulta oftalmológica e óculos, em parceria com o Olhar Brasil, do governo federal”, informou a enfermeira Mariana Borssio.

Gostou da notícia? Deixe seu comentário e continue navegando pelo portal Primeira Educação para se manter atualizado com as principais informações relacionadas à educação infantil e primeira infância

Seja um apoiador do jornalismo independente e ajude com que mais pais e educadores sejam impactados com nossos conteúdos. Contribua.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias